Quais as estratégias que a Mindray e a Hospcom estão realizando nos casos de suporte respiratório grave ao COVID-19?

O Ministério da Saúde registrou o primeiro caso de Covid-19 no dia 26 de fevereiro. No dia 6 de março, eram 13 casos confirmados. No dia 8, 25. Três dias depois, em 11 de março, já eram 52. No dia 13, 98. No dia 15, eram 200. Três dias depois, em 18 de março, 428 casos. Na sexta-feira passada, dia 20, 904 casos confirmados. Nesta segunda (23), chegamos a 1.891. 

O Ministério da Saúde avalia que os próximos dias serão decisivos para frear a curva de aceleração da Covid-19 no Brasil. Os técnicos avaliam diariamente os efeitos das decisões tomadas até aqui e o governo não descarta a possibilidade de anunciar novas medidas.

Ao menos 13 mil pessoas morreram por complicações da Covid-19 em todo o mundo. Um levantamento da universidade norte-americana Johns Hopkins apontou que na manhã deste domingo (22), mais de 307 mil pessoas foram infectadas pelo novo coronavírus.

A maior parte das mortes mundiais está concentrada na Itália, são mais de 4,8 mil até o momento. O país registrou no sábado (21) um aumento de quase 800 mortes em apenas um dia. A Itália tem mais de 53,5 mil infectados pelo vírus, atrás apenas da China, que desde o início do surto, em dezembro de 2019, acumulou mais de 81 mil casos de Covid-19.

Se o Brasil não conseguir conter a transmissão e o número de casos, seguindo a trajetória italiana, a disponibilidade de leitos nas UTIs pode se revelar um obstáculo para o tratamento dos casos graves.

No Brasil, metade dos leitos de UTI atende quem tem acesso a saúde suplementar [plano de saúde].

A outra metade atende quem usa o SUS. Só que 25% da população têm acesso a saúde suplementar e 75% utiliza o SUS. Isso significa que, no Brasil do SUS, há uma vaga em UTI para cada 10 mil adultos, enquanto

no Brasil da saúde suplementar, são 4 para cada 10 mil.

A taxa de mortalidade média do novo coronavírus (Covid-19) é de 3,74%. No mundo, foram infectadas

cerca de 342.000 pessoas em 171 países, entre as quais 13.000 morreram.

Com isso, até (23/março) a mortalidade da doença é menor do que a da Sars (8%), síndrome respiratória aguda grave que se alastrou entre os anos 2002 e 2004. No entanto, ela já é parecida com a da dengue (3,8%) e quase 2.800 vezes maior do que a da gripe comum (0,13%) ou 1.770 vezes maior do que a da gripe H1N1 (0,2%). Já a Mers, do mesmo grupo de doenças do Covid-19, conhecida como síndrome respiratória

do Médio Oriente, teve taxa de mortalidade de 34%.


APROVETE O E-BOOK INCRÍVEL

Quando uma pessoa é infectada pelo COVID-19, uma das principais áreas afetadas é o sistema respiratório, sendo que um dos sintomas graves da doença é a falta de ar.

Uma forma de amenizar isso é por meio de ventiladores mecânicos que fornecem ar aos pulmões e são cruciais para garantir a sobrevivência de muitos pacientes. Melhor ainda quando estes possuem diferenciais competitivos.

A Mindray por tanto sai na frente, pois sua linha de equipamentos inovadores para ventilação mecânica, é de ponta.

___

Todos os seus modelos oferecem feedback em tempo real (por exemplo, complacência pulmonar, resistência, distribuição de ventilação) via representação gráfica em vez de dados numéricos, tornando a interpretação das condições pulmonares dos pacientes uma tarefa muito mais fácil. Além de serem os únicos da categoria com autoclavagem. Com filtro na válvula de inspiração e expiração.

Acesse o E-book e Saiba tudo o que a Mindray e a Hospcom estão realizando nos casos de Suporte Respiratório Grave ao COVID-19 no mundo.